CGTN: Super Vírus – COVID-19: Como Chegamos Aqui

PEQUIM--()--Até agora, o novo coronavírus já matou mais de 400.000 vidas em todo o mundo, segundo a Universidade John Hopkins. Ninguém sabe quão perigoso é o vírus e quanto tempo durará a pandemia.

Para apresentar aos leitores uma imagem clara de como chegamos aqui, a CGTN retratou sete* países atingidos em um Super Vírus interativo. Estes países - China, Coreia do Sul, EUA, Alemanha, França, Itália e Reino Unido - relataram casos confirmados iniciais em um estágio preliminar do surto, sendo todos seus sistemas de saúde relativamente rigorosos e maduros na luta contra o mesmo. Porém suas diferentes medidas políticas resultaram em resultados diversos.

Embora seja muito cedo para tirar conclusões simples, as medidas políticas adotadas em cada país exigem um exame minucioso. O estudo interativo adota uma abordagem comparativa na visualização de quando e com que rapidez estas medidas foram adotadas ao longo da pandemia. A CGTN compilou e analisou dados nas áreas de testes, que são cruciais para a detecção precoce, medidas preventivas, incluindo economias interrompidas e cancelamento de reuniões públicas, bem como desenvolvimento de métodos clínicos e a panaceia definitiva - uma vacina eficaz.

As ações tomadas pelos países em relação aos testes nos primeiros dias parecem ter contribuído para grandes diferenças no rumo. A Itália começou com testes em massa, mas depois voltou a se concentrar apenas em pacientes sintomáticos. À medida que o surto piorava na Grã-Bretanha, concentrou-se em testes e recursos médicos para pacientes gravemente enfermos.

A Coreia do Sul e os EUA relataram seus primeiros casos de coronavírus quase ao mesmo tempo. Mas as atitudes de seus governos em relação aos testes em meio ao surto não poderiam ser mais distintas.

Uma semana após a Coreia do Sul relatar seu primeiro caso, seu departamento de saúde reuniu mais de 20 empresas farmacêuticas para garantir um método de teste para a COVID-19 que foi estabelecido oito dias depois. Contudo semanas após a chegada do coronavírus nos EUA, continuou a haver frustração com as falhas na distribuição de testes de diagnóstico e nos kits de testes com defeito. Primeiro, houve um protesto contra a burocracia na aprovação dos kits de teste da COVID-19, depois houve uma confusão sobre quem poderia fazer o teste.

Quanto às restrições de viagem, controles de fronteira de diferentes tipos foram adotados por muitos dos seis países. As medidas variavam de exames de saúde em aeroportos, avisos e restrições de viagem e quarentena aos viajantes que retornavam do exterior. Posteriormente, em controles de fronteira, a China não implementou restrições até o fim de março, quando os casos no mundo já haviam explodido.

Esta política veio com medidas extremas em certos países. O governo Trump suspendeu a imigração aos EUA por 60 dias em nome da proteção de trabalhadores nacionais, já que o desemprego alcançou um recorde em meio ao coronavírus. Mas esta política deixou inúmeras famílias e empresas cambaleando em vez de aumentar o emprego.

Os controles iniciais das fronteiras também contribuíram para um problema: a maioria dos países ocidentais negligenciou a prevenção e o controle dentro de suas fronteiras.

Restrições ao movimento de pessoas dentro das fronteiras nacionais foram implementadas com diferentes graus de eficácia. A maioria dos seis países, por exemplo, adotou ordens de permanência em residências antes dos bloqueios, exceto a China. No início da manhã de 23 de janeiro, mais de 20 dias após o relato do primeiro grupo conhecido de casos, Wuhan lançou um bloqueio severo, barrando todos os carros, trens, aviões dentro e fora, que duraram 76 dias.

Na Itália, onde medidas semelhantes foram tomadas no norte da Lombardia e no Vêneto, que, juntas, compõem 30% da economia italiana, os residentes foram submetidos a quarentenas domésticas obrigatórias, com todas as empresas não essenciais fechadas. Enquanto isto, alguns dos outros países, como os EUA e o Reino Unido, deixaram de impor quarentenas obrigatórias nos estágios iniciais devido a várias razões.

A COVID-19 pegou o mundo inteiro desprevenido, expondo como estamos despreparados diante de uma pandemia de tal escala e escopo. O vírus sobrecarregou gravemente até os melhores sistemas de saúde do mundo, com todos os sete países sofrendo com uma escassez de profissionais e suprimentos médicos. Médicos e enfermeiros continuam enfrentando o perigo de serem infectados e o ônus psicológico de espalhar a doença a outros pacientes ou perder o emprego ao voltar da linha de frente.

O coronavírus também não é um agente maligno por igual - afetou desproporcionalmente populações historicamente marginalizadas. As taxas de infecção e morte por coronavírus são mais altas para africanos e povos nativos americanos, que são, em média, mais pobres do que seus colegas brancos. Quando se trata de idade, o idoso compõe uma parcela considerável de todas as mortes, devido a complicações do coronavírus além de outras condições. Os povos indígenas também estão enfrentando taxas mais altas de infecção do que as médias nacionais dos países em que residem. Na Europa, os ciganos vivem em comunidades superlotadas, tornando-os particularmente afetados pelo surto, devido à falta de condições sanitárias de vida.

Enquanto os surtos continuam em muitos destes países com recursos médicos avançados, o futuro não parece ser definido pela desgraça e pela tristeza. Desde o início do surto em janeiro, centenas de universidades, empresas farmacêuticas e organizações internacionais participaram de cerca de 320 testes que analisaram vários tratamentos para a COVID-19. Dada a divisão da COVID-19, a imensa escala deste empreendimento exige cooperação entre nações, organizações e sociedades. Embora o tempo seja o melhor trunfo para uma pandemia em rápida expansão, não é tarde demais para cultivar este espírito colaborativo.

* A versão móvel do estudo interativo se concentra apenas nos seis países para uma experiência otimizada do usuário.

Artigo original: https://news.cgtn.com/news/2020-06-09/Super-Virus-COVID-19-How-we-got-here--Ra9s4L7rBC/index.html

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contacts

Jiang Simin
jiang.simin@cgtn.com
+86 18826553286

Contacts

Jiang Simin
jiang.simin@cgtn.com
+86 18826553286