Comissão Real da Arábia Saudita para AlUla anuncia o nascimento de dois filhotes de leopardo-árabe, uma importante contribuição para essa subespécie sob forte ameaça de extinção

  • O casal de filhotes nascido na Arábia Saudita da mãe Hamms, de 10 anos de idade, representa uma esperança para a renovação de uma subespécie que, segundo estimativas, possui menos de 200 exemplares selvagens adultos
  • Nascidos em 26 de abril, os filhotes passaram por uma etapa de desenvolvimento fundamental de 12 semanas e foram submetidos aos primeiros exames e vacinas
  • O nascimento representa um importante passo no papel da RCU como guardiã da natureza e do meio ambiente da região noroeste saudita, e faz parte do portfólio das Iniciativas para o Leopardo-árabe (ALI)
  • O marco ocorre após a assinatura de uma parceria no valor de US$ 20 milhões entre a RCU e a Panthera para ajudar a preservar grandes felinos do mundo todo, inclusive o leopardo-árabe

ALULA, Arábia Saudita--()--A Comissão Real da Arábia Saudita para AlUla (Royal Commission for AlUla, RCU) anunciou o nascimento de dois filhotes de leopardo-árabe como marco do início de um programa de reprodução para ajudar a preservar e, em última análise, reintroduzir a subespécie de grandes felinos fortemente ameaçada de volta à vida selvagem na região noroeste do reino como parte de seu portfólio das Iniciativas para o Leopardo-árabe (Arabian Leopard Initiatives, ALI).

Os filhotes, um macho e outro fêmea, nasceram em 26 de abril no Centro de Pesquisa de Vida Selvagem Príncipe Saud Al-Faisal, localizado em Taif, cidade do noroeste saudita. Os filhotes passaram por uma etapa de desenvolvimento fundamental de 12 semanas e foram recentemente vacinados por veterinários.

O nascimento dos filhotes é um marco de extrema importância neste momento em que a RCU dá início às suas Iniciativas para o Leopardo-árabe (ALI), que são condizentes com as metas e os objetivos do estatuto da RCU, o qual declara a missão de proporcionar uma transformação sensível e responsável da região de AlUla, e proteger sua natureza e vida selvagem.

O período de 12 semanas foi o mais crítico para os filhotes de leopardo-árabe recém-nascidos. Foi durante esse período que eles estabeleceram um vínculo com sua mãe de 10 anos de idade Hamms (que significa “sussurro” em árabe), aprenderam importantes comportamentos e cresceram fortes no isolamento de sua toca antes de serem visitados e vacinados. Os filhotes permanecerão com sua mãe por um período de 18 meses a dois anos, o que atende às melhores práticas globais relativas a programas de reprodução em cativeiro.

Ao comentar sobre essa importante conquista para o futuro do leopardo-árabe, Sua Alteza Príncipe Badr bin Abdullah bin Mohammad bin Farhan Al Saud, ministro da Cultura do país e administrador da RCU, afirmou: “Este é um momento histórico para nossos esforços de reintroduzir o leopardo-árabe na região de AlUla. Estimativas apontam para a existência de menos de 200 exemplares selvagens no mundo todo, sendo um dos animais mais ameaçados do planeta, e esses filhotes representam uma nova esperança para a renovação de uma subespécie à beira da extinção. É nosso dever proteger, conservar e elevar sua população para evitar que a espécie se torne uma nota de pé de página da história.

“É por isso que a RCU defende ativamente a revitalização do leopardo-árabe em apoio ao futuro desse raro e majestoso grande felino nativo de AlUla. O nascimento desses dois filhotes será o primeiro de muitos, já que nosso programa especializado de reprodução em cativeiro está em franco crescimento e desenvolvimento, graças ao apoio de especialistas locais e de parceiros como a Panthera”.

As Iniciativas para o Leopardo-árabe (ALI) da RCU combinam diversos projetos que atuam para a preservação dessa subespécie sob forte ameaça, inclusive um amplo programa de reprodução em cativeiro e reintrodução, além do estabelecimento do Fundo Global para o Leopardo-árabe.

No papel de centro de excelência, a RCU está estabelecendo um comitê diretivo com importantes especialistas do mundo inteiro para aprimorar e proporcionar informações para as práticas de reprodução em cativeiro, criação, atendimento veterinário e reintrodução das ALI na atual instalação de reprodução localizada em Taif. O comitê também ajudará a orientar o projeto de um centro de reprodução que contará com tecnologia de ponta e será construído no condado de AlUla para prestar consultoria sobre projetos de revitalização de habitat na Reserva Natural de Sharaan.

Foi anunciado em fevereiro que o recém-criado Fundo Global para o Leopardo-árabe terá um aporte inicial de US$ 25 milhões, o que fará dele o maior fundo mundial totalmente dedicado à proteção do leopardo-árabe. Atualmente em etapa de planejamento estratégico e configuração operacional, o fundo global estará totalmente mobilizado até o final de 2019.

O anúncio dos recém-nascidos filhotes de leopardo ocorre logo após a assinatura, em junho deste ano, de um acordo de parceria entre Sua Alteza Príncipe Badr bin Abdullah bin Mohammad bin Farhan Al Saud, administrador da RCU, e o Dr. Thomas Kaplan, presidente do conselho da Panthera, organização global que atua pela conservação de felinos selvagens.

Com essa parceria, a Arábia Saudita passou a integrar a Aliança Global pelos Grandes Felinos (Global Alliance for Wild Cats), assumindo um compromisso de investir US$ 20 milhões nos próximos 10 anos.

Para obter mais imagens em alta qualidade, vídeos e informações, acesse o kit de mídia da RCU ALI.

*Fonte: AETOSWire

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contacts

Equipe de Relações Públicas da RCU
Hanouf AlHouthan, chefe de RP da RCU
PublicRelations@rcu.gov.sa

Contacts

Equipe de Relações Públicas da RCU
Hanouf AlHouthan, chefe de RP da RCU
PublicRelations@rcu.gov.sa