Cientistas internacionais apelam à ONU pela proteção de humanos e da vida selvagem contra campos eletromagnéticos e tecnologia sem fio

A posição antagônica da OMS sobre riscos precisa ser fortalecida, afirmam 190 cientistas

NOVA IORQUE--()--190 cientistas provenientes de 39 países enviaram hoje um apelo às Nações Unidas, a seus Estados-membros e à Organização Mundial de Saúde (OMS) solicitando que adotem mais diretrizes de proteção à exposição a campos eletromagnéticos (EMF, na sigla em inglês) e tecnologia sem fio, diante de cada vez mais evidências dos riscos oferecidos. Tais formas de exposição são uma modalidade de poluição ambiental em rápido crescimento em todo o mundo.

O “Apelo internacional de cientistas sobre campos eletromagnéticos” [International EMF Scientist Appeal] reivindica que o secretário geral e os organismos associados à ONU promovam medidas preventivas para limitar a exposição a EMF e informar o público sobre os riscos que ela oferece à saúde, particularmente a crianças e gestantes.

O Apelo destaca o posicionamento antagônico da OMS sobre os riscos relativos a EMF. A Agência Internacional para Pesquisa do Câncer da OMS classificou em 2011 a radiação por radiofrequência como um “Possível cancerígeno” do Grupo 2B, e a mesma classificação já havia sido atribuída a campos de frequências extremamente baixas em 2001. Contudo, a OMS continua ignorando as recomendações de sua própria agência e favorecendo as diretrizes recomendadas pela Comissão Internacional de Proteção contra Radiações Não Ionizantes (ICNIRP [International Commission on Non-Ionizing Radiation Protection]). Tais diretrizes, desenvolvidas por um grupo autosselecionado de membros do próprio setor, têm sido há muito tempo criticadas como não protetoras.

O Apelo clama à ONU pelo fortalecimento de seus alertas sobre o risco de EMF a seres humanos e a avaliação do impacto potencial sobre a vida selvagem e outros organismos vivos sob o patrocínio do Programa Ambiental das Nações Unidas, de maneira condizente com os riscos demonstrados pela ciência, com o objetivo de buscar uma solução para essa inconsistência.

Martin Blank, PhD, da Universidade de Columbia, afirma que “as diretrizes internacionais de exposição a campos eletromagnéticos precisam ser fortalecidas de forma a refletir a realidade de seu impacto sobre nossos corpos, especialmente sobre nosso DNA. Estamos muito atrasados na adoção de medidas para lidar com os efeitos nocivos à saúde e do ponto de vista biológico. Precisamos reduzir a exposição estabelecendo mais diretrizes de proteção”.

Joel Moskowitz, PhD, da Universidade da Califórnia em Berkeley, diz que “as diretrizes da ICNIRP definem normas de exposição para limiares de aquecimento de tecido de curto prazo e alta densidade. Elas não nos protegem das exposições crônicas de baixa intensidade, tão comuns atualmente. Os cientistas signatários do Apelo solicitam que a ONU e seus Estados-membros protejam a população humana global e a vida selvagem contra as exposições de EMF”.

Apelo internacional de cientistas sobre campos eletromagnéticos [International EMF Scientist Appeal]: EMFscientist.org

Declaração em vídeo (3 min.) pelo porta-voz Martin Blank, PhD: EMFscientist.org

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contacts

EMFscientist.org
Elizabeth Kelley, MA, Diretora, 520-743-0125
info@EMFscientist.org
ou
Escola de Saúde Pública, Universidade da Califórnia em Berkeley
Joel Moskowitz, PhD, 1-510-643-7314
jmm@berkeley.edu

Contacts

EMFscientist.org
Elizabeth Kelley, MA, Diretora, 520-743-0125
info@EMFscientist.org
ou
Escola de Saúde Pública, Universidade da Califórnia em Berkeley
Joel Moskowitz, PhD, 1-510-643-7314
jmm@berkeley.edu