Dois terços das conexões móveis funcionarão em redes 4G/5G até 2025, aponta novo estudo da GSMA

O ecossistema móvel gerou US$ 3,6 trilhões em valor econômico em 2017, à medida que a indústria se prepara para a era do 5G

BARCELONA, Espanha--()--Dois terços das conexões móveis do mundo estarão funcionando em redes 4G e 5G até 2025, de acordo com a edição de 2018 do relatório “Mobile Economy” da GSMA, publicado hoje no Mobile World Congress. A previsão é de que o 4G representará 53% das conexões móveis globais1 até 2025 (diante de 29% em 2017), enquanto as redes 5G crescerão para representar uns 14% após o lançamento das primeiras redes comerciais 5G este ano. O relatório também mede o crescimento da Internet das Coisas (IoT) durante esse período e o crescente papel da indústria móvel na contribuição para o crescimento econômico e o desenvolvimento social.

“Estamos no início de uma nova era nos dispositivos móveis com o lançamento iminente das primeiras redes 5G e da Internet das Coisas, para transformar ainda mais a forma como vivemos e trabalhamos”, disse Mats Granryd, diretor-geral da GSMA. “Enquanto isso, as operadoras continuam expandindo e atualizando suas redes 4G para proporcionar um caminho evolutivo na era 5G e também evoluem suas ofertas para desbloquear novas fontes de receita em áreas como comércio eletrônico, conteúdo, estilo de vida, publicidade e marketing, identidade e segurança.”

“À medida que a indústria móvel entra na era 5G, a necessidade de políticas favoráveis ao investimento, à inovação e aos regimes regulatórios modernizados nunca foi tão grande”, acrescentou Granryd. “A regulamentação otimizada e o desenvolvimento de novas políticas em três áreas principais – espectro, infraestrutura e economia – são fundamentais para aproveitar todo o potencial do 5G no que diz respeito aos consumidores, à sociedade e à indústria.”

Crescimento em 4G, 5G e Internet das Coisas

Em menos de uma década desde que foram lançadas as primeiras redes comerciais 4G, o 4G está prestes a se tornar a principal tecnologia de rede móvel a nível mundial no ano que vem e representar mais da metade (53%) das conexões globais até 2025. Durante esse período, as operadoras também investirão em novas redes 5G. A partir deste ano, a primeira onda de lançamentos de 5G vai ocorrer na América do Norte e em grandes mercados da Ásia e Europa. A previsão é de que as conexões de 5G alcancem 1,2 bilhão até 2025, representando 14% das conexões totais nesse momento.

Enquanto isso, o crescimento na IoT será impulsionado por uma proliferação de usos para casas inteligentes, cidades, edifícios e empresas. A GSMA Intelligence prevê que o número de conexões IoT (móvel2 e não móvel) mais que triplicará entre 2017 e 2025, chegando a 25 bilhões. Até a data, 23 operadoras de telefonia móvel lançaram comercialmente 41 redes de dispositivos móveis no mundo todo utilizando os padrões NB-IoT e LTE-M.

No ano passado, a indústria móvel registrou 5 bilhões de assinantes móveis únicos3 e a estimativa é adicionar quase um bilhão até 2025, chegando a 5,9 bilhões de assinantes – o equivalente a 71% da população mundial prevista para esse momento. O crescimento dos assinantes durante esse período será impulsionado por países em desenvolvimento, em particular Bangladesh, China, Índia, Indonésia e Paquistão, bem como pelos mercados da África Subsaariana e América Latina. Além disso, até 2025, espera-se que 5 bilhões de assinantes usem seus telefones celulares para acessar a internet, diante de 3,3 bilhões em 2017.

Um colaborador crescente para a economia e o desenvolvimento social

O ecossistema móvel representou 4,5% do PIB global a nível mundial em 2017, uma contribuição equivalente a US$ 3,6 trilhões em valor econômico agregado4. Essa contribuição deverá atingir US$ 4,6 trilhões, ou 5% do PIB, até 2022, uma vez que os países do mundo inteiro se beneficiem cada vez mais das melhorias na produtividade e eficiência derivadas de um maior uso dos serviços móveis e soluções M2M/IoT. Em 2017, o ecossistema móvel mais amplo também apoiou 29 milhões de empregos (direta e indiretamente) e contribuiu substancialmente para o financiamento do setor público. Cerca de US$ 500 bilhões foram arrecadados através de impostos gerais e outros US$ 25 bilhões através de leilões de espectro móvel.

O relatório destaca que, além de contribuir para o crescimento econômico, a tecnologia móvel é cada vez mais usada para enfrentar os desafios de acesso, custo e qualidade do serviço em importantes setores, como saúde, agricultura, serviços públicos, educação e serviços financeiros. Seguindo o compromisso da indústria móvel de ajudar a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, estipulado há dois anos5, o relatório observa que o setor está contribuindo de forma importante nos 17 ODS como resultado de três tendências principais: melhores redes, maior conectividade e aumento da utilização de serviços habilitados para dispositivos móveis.

“Dois anos após a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, a indústria móvel está aumentando seu impacto em todos os 17 objetivos como resultado de maior alcance móvel e melhores redes”, acrescentou Granryd. “Também está aumentando a adoção de ferramentas e soluções baseadas em dispositivos móveis que visam estimular a digitalização de sistemas, processos e interações em várias indústrias, especialmente em países de baixa e média renda.”

O novo relatório The Mobile Economy 2018 é de autoria da GSMA Intelligence, o braço de pesquisa da GSMA. Para acessar o relatório completo e infográficos relacionados, acesse: www.gsma.com/mobileeconomy/.

-FIM-

Sobre a GSMA

A GSMA representa os interesses das operadoras móveis em todo o mundo, unindo cerca de 800 operadores com mais de 300 empresas no ecossistema móvel mais amplo, incluindo fabricantes de celulares e dispositivos, empresas de software, fornecedores de equipamentos e empresas de Internet, bem como organizações em setores industriais adjacentes. A GSMA também produz eventos líderes do setor, como o Mobile World Congress, o Mobile World Congress de Xangai, o Mobile World Congress das Américas e conferências do Mobile 360 Series.

Para mais informações, acesse o site corporativo da GSMA em www.gsma.com. Siga a GSMA no Twitter: @GSMA.

1 Havia 7,8 bilhões de conexões SIM em 2017, excluindo a IoT móvel, com previsão de aumentar para 9 bilhões até 2025.

2 A IoT móvel licenciada refere-se à M2M móvel (2G/3G/4G/5G) e IoT Móvel (NB-IoT/LTE-M).

3 Um assinante móvel único representa uma pessoa que pode contabilizar várias conexões SIM.

4 A contribuição do PIB inclui a contribuição direta do ecossistema móvel (1,4% do PIB), contribuição indireta (0,6%) e melhorias de produtividade (2,5%).

5 No Mobile World Congress 2016, a indústria móvel tornou-se o primeiro setor a comprometer-se em conjunto com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – um plano universal aprovado por unanimidade em 2015 pelos 193 países da Assembleia Geral das Nações Unidas para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que todas as pessoas desfrutem de paz e prosperidade.

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contacts

Contatos de imprensa:
Para a GSMA
Beau Bass
+44 79 7662 4962
beau.bass@webershandwick.com
ou
Assessoria de Imprensa da GSMA
pressoffice@gsma.com

Contacts

Contatos de imprensa:
Para a GSMA
Beau Bass
+44 79 7662 4962
beau.bass@webershandwick.com
ou
Assessoria de Imprensa da GSMA
pressoffice@gsma.com