Dois Terços das Mulheres Globalmente Não São Otimistas Sobre Igualdade de Gênero nos Proximos Cinco Anos

Mulheres de todas as idades ao redor do mundo revelam discriminações que as impede de alcançar seu pleno potencial em uma pesquisa global que marca o Dia Internacional da Mulher

WU Multi-generational Research Study - Executive Summary 2017 (Graphic: Business Wire)

???pagination.previous??? ???pagination.next???

ENGLEWOOD, Colo.--()--Uma nova pesquisa global descobriu que mulheres de todas as gerações ao redor do mundo compartilham opiniões semelhantes sobre os sérios desafios que impedem suas sociedades de alcançar a igualdade de gênero. Mais de dois terços não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e mais de 30% acreditam que a igualdade de gênero é impossível.

As mulheres em todos os cinco países (Estados Unidos, Reino Unido, China, Índia e Brasil) são unânimes em sua visão de que desbloquear a educação para as meninas é fundamental para alcançar a igualdade de gênero, além de realizar mudanças sociais no modo como meninas e mulheres são vistas. Quase dois terços (63%) dizem que igualdade e inclusão no local de trabalho é o primeiro passo vital.

A pesquisa multigeracional conduzida pela Research Now e encomendada pela Western Union (NYSE: WU), líder global em pagamentos e patrocinadora oficial do Dia Internacional da Mulher (IWD, por sua sigla em inglês), pesquisou 5 mil mulheres - abrangendo milênios, geração X, baby boomers e grupos seniores - nos cinco países.

Algumas das principais descobertas da pesquisa incluem:

  • 69% das mulheres dizem que as meninas precisam de ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 66% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, a compreender e a respeitar mais;
  • Mais de 67% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 78% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 45% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 62% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 60% sentem que é importante ter programas sociais escolares que estimulem a confiança/auto-estima das meninas;
  • Metade das mulheres quer mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres.

A educação tem o poder de mudar a vida de meninas e é um factor determinante em sua qualidade de vida. Oitenta e quatro por cento das mulheres concordam que se eliminarmos as barreiras para uma educação de qualidade para todas as meninas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que vão mudar o mundo – independente de onde estejam, em todo o mundo.

O presidente e CEO da Western Union, Hikmet Ersek, disse: "Esses resultados são sérios e mostram que todos nós - como líderes empresariais, cidadãos globais e pais - temos um longo caminho a percorrer para alcançar a igualdade de gênero”.

"A Western Union acredita que todas as meninas, em qualquer lugar do mundo, devem ter a chance de perseguir seus sonhos e objetivos. É por isso que participamos orgulhosamente do Dia Internacional da Mulher e temos orgulho de que 90% das doações realizadas pela Western Union Foundation, nos últimos 15 anos, tenham sido direcionadas a programas educacionais".

A Western Union Foundation também está anunciando, por ocasião do IWD, o "WU Scholars Program"*, um programa global de bolsas de estudo dedicado à educação e capacitação de estudantes em todo o mundo, incluindo ainda mais mulheres.

"A educação é um dos investimentos mais importantes que podemos fazer", acrescentou Ersek. "Ela transforma as meninas em líderes. Transforma os cidadãos globais em impulsores econômicos, que assim continuam investindo em educação. A educação permite quebrar barreiras e capacitar uma geração mais audaciosa de jovens mulheres a atingir seu verdadeiro potencial”.

A Western Union opera em mais de 200 países e territórios em todo o mundo, e mais da metade das pessoas que enviaram dinheiro por meio do seu serviços de transferência de dinheiro, em 2016, eram mulheres. Dos que receberam dinheiro por meio da Western Union, mais de 65% eram mulheres.

A empresa também empreendeu um esforço plurianual - a iniacitiva Chain of Betters - para estimular o reconhecimento de boas ações e os esforços extraordinários de pessoas comuns para ajudar uns aos outros. Este ano, a Western Union criou um pequeno vídeo que inspira as comunidades a apoiarem uma geração mais ousada de mulheres por meio da educação. O vídeo -- www.wu.com/chainofbetters/iwd/ -- homenageia as meninas num tributo ao Dia Internacional da Mulher.

Quebrando barreiras

Os resultados da pesquisa “Desbloqueando a Desigualdade de Gênero e a Educação” inspiraram a Western Union a expandir seu compromisso de derrubar barreiras em todo o mundo e a lançar um Programa de Bolsas de Estudo Globais no valor de US$ 250.000,00, no dia 8 de março, em comemoração ao IWD 2017. O programa dará apoio financeiro a estudantes de todo o mundo, incluindo jovens mulheres, dando acesso a habilidades e conhecimentos necessários para realizar seus sonhos com confiança - www.WUScholars.org.

#BeBoldForChange

Em homenagem ao IWD, a Western Union está convidando as pessoas a apoiarem as mulheres, compartilhando os melhores e mais ousados conselhos que já deram ou receberam sobre perseguir um sonho sem medo. Pode ter sido um conselho prudente da sua mãe, suas frases inspiracionais favoritas, ou algo que você diga a seus filhos. Use os hashtags #TheRaceIsOn #BeBoldForChange para inspirar os outros e mostrar que você acredita que cada menina merece seu lugar na linha de partida.

Para revisar os resultados do estudo global (conteúdo em inglês), visite https://www.westernunion.com/blog/women-globally-arent-optimistic-gender-equality/.

Principais Conclusões por País

Estados Unidos:

  • 80% das mulheres americanas não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e 20% acreditam que a igualdade de gênero é impossível;
  • 74% dizem que as meninas precisam ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 69% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, entender e respeitar mais;
  • 69% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 73% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 38% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 66% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 52% querem mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres;
  • 82% concordam que, se as barreiras à educação de qualidade para todas as meninas forem eliminadas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que mudarão o mundo;
  • 71% vêem o aumento da igualdade e inclusão no local de trabalho como um primeiro passo vital.

Reino Unido:

  • 88% das mulheres britânicas não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e 25% acreditam que a igualdade de gênero é impossível;
  • 68% dizem que as meninas precisam ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 65% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, entender e respeitar mais;
  • 68% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 72% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 36% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 59% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 43% querem mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres;
  • 77% concordam que, se as barreiras à educação de qualidade para todas as meninas forem eliminadas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que mudarão o mundo;
  • 67% vêem o aumento da igualdade e inclusão no local de trabalho como um primeiro passo vital.

Brasil:

  • 61% das mulheres brasileiras não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e 41% acreditam que a igualdade de gênero é impossível;
  • 79% dizem que as meninas precisam ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 77% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, entender e respeitar mais;
  • 75% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 87% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 45% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 71% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 56% querem mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres;
  • 87% concordam que, se as barreiras à educação de qualidade para todas as meninas forem eliminadas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que mudarão o mundo;
  • 65% vêem o aumento da igualdade e inclusão no local de trabalho como um primeiro passo vital.

China:

  • 82% das mulheres chinesas não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e 36% acreditam que a igualdade de gênero é impossível;
  • 50% dizem que as meninas precisam ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 43% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, entender e respeitar mais;
  • 44% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 72% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 44% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 45% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 34% querem mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres;
  • 86% concordam que, se as barreiras à educação de qualidade para todas as meninas forem eliminadas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que mudarão o mundo;
  • 56% vêem o aumento da igualdade e inclusão no local de trabalho como um primeiro passo vital.

India:

  • 41% das mulheres indianas não são muito otimistas de que a igualdade de gênero pode ser alcançada nos próximos cinco anos e 39% acreditam que a igualdade de gênero é impossível;
  • 79% dizem que as meninas precisam ser encorajadas a falar mais para se defenderem, enquanto 78% acreditam que os meninos devem ser ensinados a ouvir, entender e respeitar mais;
  • 81% dizem que a sociedade espera que as mulheres assumam responsabilidades que não são esperadas dos homens;
  • 86% sentem que homens e meninos ainda acreditam que são superiores às mulheres;
  • 61% identificam fatores sociais e culturais -- em que as meninas são vistas como inferiores aos meninos e que não vale a pena educá-las -- como uma barreira para que as meninas tenham acesso a uma educação de qualidade;
  • 72% dizem que é importante ter programas educacionais que "ensinem às meninas diversas habilidades para serem líderes eficazes e assumirem riscos";
  • 63% querem mais lições e livros didáticos que ensinem sobre a vida e as realizações das mulheres;
  • 91% concordam que, se as barreiras à educação de qualidade para todas as meninas forem eliminadas, podemos desbloquear o seu potencial e desenvolver mulheres que mudarão o mundo;
  • 54% vêem o aumento da igualdade e inclusão no local de trabalho como um primeiro passo vital.

* O Programa WU Scholar é administrado e operado pelo Institute of International Education, Inc. (IIE), empresa privada sem fins lucrativos líder dos EUA no intercâmbio internacional de pessoas e ideias. A Western Union Foundation é uma corporação sem fins lucrativos reconhecida pelo §501 (c) (3) nos Estados Unidos, apoiada pela Western Union, seus funcionários, Agentes e parceiros de negócios que trabalham para apoiar a educação e os esforços de auxilio em desastres como caminho rumo a um futuro melhor.

Sobre a Western Union

A Western Union Co. (NYSE: WU) é líder em serviços globais de pagamentos. Juntamente com suas marcas Vigo, Orlandi Valuta, Pago Fácil e Western Union Business Solutions, oferece a consumidores e empresas meios rápidos, confiáveis e convenientes de enviar e receber dinheiro em todo o mundo, além de fazer pagamentos e efetuar ordens de pagamento. Os serviços sob as marcas Western Union, Vigo e Orlandi Valuta são oferecidos através de uma rede combinada de mais de 550 mil pontos de atendimento em 200 países e territórios, além de mais de 100.000 ATMs e quiosques, incluindo a capacidade de enviar dinheiro a milhões de contas bancárias (dados de 31 de dezembro de 2016). Em 2016, a Western Union realizou 268 milhões de transações de consumidor a consumidor em todo o mundo, movimentando um capital de US$ 80 bilhões entre consumidores, além de 523 milhões de pagamentos comerciais. Para mais informações, visite www.westernunion.com.

WU-G

Contacts

FleishmanHillard
Joel Herga (UK), +44-(0)208-618-2951 |
joel.herga@fhflondon.co.uk
or
Kristina King (US), +1 212-453-2452
kristina.king@fleishman.com
or
Western Union
Pia De Lima, +1 954 260 5732
Vice President | Corporate Communications,
Pia.Delima@Westernunion.Com
or
Ingrid Sahu, +97 (14) 437-3656
Vice President | Corporate Communications
Ingrid.Sahu@westernunion.com
or
Paula Barifouse, +1 786 857-5175
Director | Corporate Communications
Paula.Barifouse@Westernunion.Com

Contacts

FleishmanHillard
Joel Herga (UK), +44-(0)208-618-2951 |
joel.herga@fhflondon.co.uk
or
Kristina King (US), +1 212-453-2452
kristina.king@fleishman.com
or
Western Union
Pia De Lima, +1 954 260 5732
Vice President | Corporate Communications,
Pia.Delima@Westernunion.Com
or
Ingrid Sahu, +97 (14) 437-3656
Vice President | Corporate Communications
Ingrid.Sahu@westernunion.com
or
Paula Barifouse, +1 786 857-5175
Director | Corporate Communications
Paula.Barifouse@Westernunion.Com